Sou: resultados integrados

Nova submarca chama a atenção para formas mais conscientes de consumo e propõe um novo modo de produzir, que já influencia outras linhas da Natura

“Para que você precisa do que não precisa?” Ao longo de três anos, a pergunta foi formulada e reformulada inúmeras vezes por dezenas de pessoas de áreas distintas da Natura envolvidas no processo de desenvolvimento de uma nova submarca. O desafio era lançar uma linha de uso diário que estivesse fortemente conectada à essência da Natura, com foco no desenvolvimento sustentável. Assim nasceu a submarca Sou, lançada em junho de 2013 e que já contribuiu para os resultados de vendas e ambientais da Natura no segundo semestre do ano passado.

Cada detalhe da nova linha foi pensado para otimizar o processo produtivo e comercial, levando um produto de menor custo e ambientalmente mais sustentável aos consumidores. Alinhado ao preceito de incentivar a reflexão sobre temas contemporâneos e relevantes, Sou também tinha o desafio de abordar o consumo consciente, combatendo os excessos e desperdícios, mas garantindo toda a qualidade da Natura. “Buscávamos estabelecer um diálogo direto com os nossos consumidores e um modo de conversar com o público dos ambientes mais urbanos. No processo criativo, entendemos que nosso tema era o consumo consciente”, relembra Fabiana Pellicciari, diretora de Unidade de Negócios. “Em nossas pesquisas, estava muito claro que o consumidor já entende o valor dos produtos pensados de forma mais sustentável, porém ainda não quer, ou não consegue, pagar mais por isso. O consumo consciente nada mais é do que um novo jeito de olhar para a vida, com um foco muito maior naquilo que é necessário. Passamos a nos perguntar: como fazer um produto que concentre o essencial, do ponto de vista do consumidor?”, conclui.

 

Chegou-se, então, a uma fórmula com menos ingredientes e 80% vegetalizada. “Percebemos que podíamos conviver com uma fragrância só e dispensar o uso de corantes, que têm pouca relevância para o consumidor”, relembra Fabiana. A embalagem única para os 27 itens da linha tem o formato pouch, desenvolvida com 70% menos plástico do que as convencionais e que permite usar até a última gota do produto. A nova embalagem também proporcionou ganhos na etapa de distribuição, com um maior número de itens acomodados em um mesmo veículo.

Para o processo produtivo, foram adquiridos equipamentos industriais exclusivos, que permitiram a redução do consumo de energia, da emissão de gases de efeito estufa (GEE) e da geração de resíduos em todas as fases de produção.

O desenvolvimento de Sou já influencia mudanças em outras submarcas. Ainda em 2013, a Natura lançou novos refis da linha para cabelos Natura Plant no formato pouch – o mesmo utilizado por Sou, que tem menor impacto que os refis tradicionais.

Espera-se que, assim como o lançamento da linha Ekos, em 2000, deu origem a uma série de inovações da Natura, como o modelo de relacionamento com as comunidades fornecedoras e o uso de novos ativos da sociobiodiversidade, Sou possa gerar aprendizados que serão incorporados em toda a cadeia da empresa.

Sou essencial

Até a última gota: design permite uso do produto até o fim
Fórmula sem excesso: com ingredientes vegetais e sem corantes
O que é importante fica: hidratatação, textura envolvente e deliciosa fragrância
Processo eficiente: menos desperdício, menos tempo de fabricação e menor gasto de energia
Nova embalagem: 70% menos plástico e 60% menos emissão de gases poluentes.

Destino da embalagem é o próximo desafio

Os ganhos nas etapas de produção e distribuição da nova linha Sou estavam assegurados com as embalagens em formato pouch, com reduções significativas nas emissões de gases de efeito estufa (GEE) e na geração de resíduos. Mas um desafio ainda está sendo trabalhado pela equipe envolvida no projeto: a embalagem é composta de uma mistura de plásticos pouco trabalhada pelas cadeias convencionais de reciclagem.

Para viabilizar técnica e comercialmente a reciclagem do pouch de Sou, a Natura estabeleceu parcerias com pesquisadores externos, na busca de soluções que possibilitem a reinserção do material na cadeia produtiva ou que ele sirva de insumo para outras indústrias.

Após o lançamento do desafio por meio do Natura Campus, plataforma de inovação aberta da companhia, esses parceiros identificaram diferentes aplicações tecnológicas e itens em que o pouch descartado após o consumo pode ser empregado. Esses resultados vão direcionar a construção de uma estratégia para a destinação final da embalagem de Sou.

Além de lançar refis no mesmo formato pouch da linha Sou, reduzindo significativamente a geração de resíduos, a submarca Natura Plant ganhou novas embalagens, produzidas com plástico verde, com redução de emissão de gases de efeito estufa (GEE). A linha também renovou seu portfólio, com novas fórmulas, e suas embalagens passaram a conter a descrição do produto em braile, para pessoas com deficiência visual.

A submarca de maquiagem Aquarela foi relançada com uma coleção inspirada no movimento modernista brasileiro, com formulação mais leve, novas texturas e embalagens com novo design, desenvolvidas de forma otimizada para também gerar menos impacto ambiental.

Outra novidade do ano foi o lançamento do Natura UNA BB, uma base multibenefício com FPS 30, que uniformiza o tom da pele, controla a oleosidade, hidrata e protege a pele dos raios solares.

Ampliando a presença de insumos da biodiversidade brasileira na produção da Natura, a linha Natura Ekos lançou quatro novos produtos a partir do óleo de açaí, dois que utilizam o buriti e um com folhas de erva-mate, além de duas novas águas de banho.